Resenhas

Encontrada - Carina Rissi - Perdida Livro 02 - Resenha

2 de outubro de 2014

......
Sofia está de volta ao século dezenove e mais que animada para começar a viver o seu final feliz ao lado de Ian Clarke. No entanto, em meio à loucura dos preparativos para o casamento, ela percebe que se tornar a sra. Clarke não vai ser tão simples quanto imaginava. As confusões encontram a garota antes mesmo de ela chegar ao altar — e uma tia intrometida que quer atrapalhar o relacionamento é apenas uma delas. Além disso, coisas estranhas estão acontecendo na vila. Ian parece estar enfrentando alguns problemas que prefere não dividir com a noiva. Decidida, Sofia fará o que estiver ao seu alcance para ajudar o homem que ama. Ela não está disposta a permitir que nada nem ninguém atrapalhe seu futuro. Porém suas ações podem pôr tudo a perder, e Sofia descobre que a única pessoa capaz de destruir seu felizes para sempre é ela própria.

Literatura Nacional
Romance



É expressamente proibida a leitura deste livro sem ler o primeiro - Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreira do Tempo.

Há dias que estou para fazer esta resenha, porém inúmeros motivos me detiveram. Após ler Encontrada eu me atropelei com outras trocentas leituras e fui deixando para depois a resenha. Mas agora estou aqui para contar a vocês tudo o que achei e o que o livro é em sua essência.

Carina Rissi mais uma vez se consagra como diva do romance nacional. Não é um exagero ou é pelo fato de eu amar a escritora que afirmo isso. Tá... Tudo bem. Isso influencia sim na minha opinião. Porém vai muito além disso. A Carina é uma verdadeira Diva e digna da fama que merece. Costumo dizer aos meus amigos e leitores que obrigo a ler os livros da Carina, que ela é a Jane Austen brasileira. A escrita da Carina é impressionante! Não tem como não amar seus livros e ela própria. Quando lemos suas histórias nos apaixonamos pelos personagens e automaticamente pela mente brilhante que os criou. Com um talento invejável e que parece interminavel, Carina possui pó magico nos dedos, pois é incrível sua capacidade de criar personagens perfeitos, histórias perfeitas e nos fazer chorar, rir e  amar inconcionamelnte.

Em Procura-se Um Marido pude perceber o quanto ela cresceu como escritora, o quanto amadureceu. E em Encontrada a escrita de Carina ganhou asas e voou. Era como se as palavras fossem invisíveis o que tornara a leitura invisível. A leitura invisível é o que denomino a escritas flutuantes, sem amarras, sem seguir a risca, transpararente ao ponto do leitor não saber mais onde se encontra, onde o tempo parece congelar e as horas são inexistentes. Costumo comparar a leitura invisível aos versos brancos e livres. E é isso que Carina faz com sua escrita. Ela simplesmente não possui regras. Acho isso tão incrível e raro nos livros que quando encontro aprecio sem moderação a leitura.

Sabe o homem quando foi a lua e fincou a bandeira de sua nação?
É isso que a Carina fez com Encontrada. Ela fincou a bandeira de diva do romance nacional.

Como em toda continuação, nós leitores ficamos demasiadamente apreensivos. Lembro-me de quando li e ouvi sobre Perdida 2, peguei-me imaginando o que Carina nos contaria nessa sequência de Ian e Sofia. Minha mente, que possui fios emaranhados e desencapados, pronto para dar um curto, viajou na maionese tentando encontrar um saída para a continuação de Perdida, tentando idealizar sobre o quê Carina escreveria. Sabe, não fazia sentido. Por mais que eu quisesse mais, infinitamente mais de Sofia e Ian, na minha cabeça não havia como a Carina desenrolar um segundo livro. Na época, pensei: " Ela falará sobre o quê?" "Não tem mais o que contar" " Se ela separa a Sofia e o Ian... Corto relações com ela."
Pode até ser meio bobo, mas alguns leitores, eu no caso, perdem horas imaginando sobre o que sua escritora favorita vai escrever para dar continuidade a uma de suas história favoritas.
E, no final das contas, faz muito sentido pensar nisso.

Em meio a empolgação do momento de: oh meu santo! Sofian outra vez! confesso que tive um pé atrás com a Carina.
E se ele destruísse a idealização de perfeição que eu tive em Perdida?
E se ela errasse na mão? Até porque um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, né?
E se...
E se...
Nossa pensei demais. Sempre que juntamos o E com Se... Sai de baixo porque as possibilidades são incontáveis. Mas como Carina é... bem..Carina! É como minha diva nacional, ela quebrou todas as minhas ideias amargas sobre Encontrada. Quando comecei a ler o livro... aquele pó magico das palavras insiveis de Carina flutuaram sobre mim, embalando-me numa áurea de paixão incondicional. Nem sei como por um momento pude pensar que daria errado. E certo é uma palavra ridícula, por isso prefiro usar excelente. Carina foi mega excelente diva em Encontrada. Eu me encontrei, Sophia se encontrou, Ian se encontrou e Carina se reencontrou com o título de The Best.
Foi... Estupendo! Magico e delirante como Sofia e Ian são.

Em Encontrada nós nos deparamos com uma Sofia prestes a se casar com o amor de sua vida, que ela descobriu pertencer ao passado. Após aquela jornada em Perdida, Sophia tem que continuar caminhando para o seu felizes para sempre. E, gnt, não é fácil. Engana-se quem pensa que até nos contos de fadas, literalmente,rs, os felizes para sempre é taxativo e imutável. Não, não é. O felizes para sempre existe sim, claro, mas não daquela forma que nos obrigaram a crer quando pequenos. Ser Felizes para Sempre é estar ao lado da pessoa amada, vivendo os mais puros dos sentimentos. Todavia isso não exclui os acontecimentos da vida. Os altos e baixos. As dificuldades, problemas...etc e tal. Para permanecer nos felizes para sempre é preciso transpor barreiras e encarar as dificuldades que a vida lhe impõe. E Sofia e Ian não estão a salvos disso. Ao contrario, é exatamente sobre isso que Carina veio nos contar.

Toda a narrativa e os acontecimento em Encontrada foram minuciosamente detalhados por Carina. A linguagem leve e flutuante dela, nos faz esquecer da hora e desesperadamente querer chegar ao final do livro. É uma aventura alucinante e cheia de amor. Gente, por favor, é do Ian Clarke que estamos falando e não de mero protagonista qualquer. O caro é o perfeito cavalheiro do seculo XX. É mais que obvio que o livro seria regado de amor. Um amor cada dia mais crescente e maduro entre Ian e Sofia.

Termino a minha resenha que foi um pouco diferente desta vez, afirmando que Encontrada é um livro além da imaginação. Especial e sem palavras. Todo aquele amor, aquela vibe deliciosa de Perdida está mais elevada em Encontrada. Carina conseguiu dar um Up na história e me deixa ba-ban-do pelo livro e claro, mais uma vez pelo Ian. É possível ter doses extras de amor? Se sim, o Ian fez isso comigo. Doses duplas e certeiras de amor enlaçaram meu coração ao ler Encontrada. Ah.. - suspiros--
Acho que nem se faz necessário dizer sobre a narrativa, a trama, o desenrolar e blá blá blá da história. Foi perfeito e altamente excelente. Carina não ficou devendo absolutamente nada em Encontrada. O livro está magnífico e com a mesma essência de perdida, só que em escalas elevadíssimas.
A capa está um brigadeiro de colher. Serio! Muito linda. Parabéns a Verus por toda a diagramação e obrigada por nos presentear com Carina mais uma vez.

Love&Hugs,
Bee
( Leitora perdidamente apaixonada e suspirando por Ian)

Quotes favoritos>>

Escolher Ian foi simples, natural como respirar. Não dava para viver com o coração batendo fora do peito e morando em outro século.


- Sofia, o que está olhando? - murmurou inquieto, me tirando do transe. Com duas rápidas braçadas, ele me alcançou.
- Tô chocada por você ter dito "caralho". Bocage de novo?

- Sofia a quem este tapete pertence?
- É seu, mas a Madalena...
- Resposta errada. - ele me interrompeu, sacudindo a cabeça. - Esta casa, a mobilia, o homem a sua frente... A quem tudo isso pertence?


- Ian... - tentei interromper o beijo para entender o que estava acontecendo, mas ele não permitiu.
- Faça amor comigo. - ele sussurrou em meu ouvido, em um tom rouco desesperado.


- Bom dia - ele me saudou, afastando uma mecha de cabelo que me caia sobre os olhos. - Dormiu bem?
- Feito pedra. E você?
- Não pude fechar os olhos. Você sorria enquanto dormia, e eu não queria perder um sorriso que fosse. - ele se inclinou e beijou meus lábios. - Eram todos pra mim, você sabe.



Postado por Respire Literatura

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por ter lido!