Resenhas

Agridoce Imperfeição

22 de agosto de 2014

......

**********************************************************************************

Olho para o notebook e tento buscar palavras para escrever alguma coisa. Algo engraçado ou divertido, quem sabe... Não há nada, no entanto. As palavras não aparecem e não consigo deixar o texto estilisticamente perfeito. Então, simplesmente, escrevo. Os dedos correm por sobre as teclas na esperança de criar perfeição. 

As vezes o perfeito é superficial, oco, vazio... Irreal. Tento deixar as coisas mais bonitas usando palavras perfeitas, mas de quê adianta se por dentro vou muito além da imperfeição? Não vale a pena fixar meus olhos na tela, encontrar graciosas palavras no dicionário e escrever bonito quando na verdade o que quero é escrever feio. 

O bonito só é belo quando sai de dentro e nem sempre brilha como o sol; pode ser opaco como o frio da noite. O que importa no final das contas, é que foi real. Imperfeito, todavia real.
Tenho vontade de chorar. Sinto-me tão sufocada que tudo o que mais quero é deixar as lágrimas rolarem por meu rosto e liberar a emoção que aprisiono em meu peito. Então, eu faço. E elas chegam quentes e salgadas me banhando em minha própria tristeza. Não me importo porque tudo que preciso nesse momento é me debulhar em lágrimas. 

Todos deveriam chorar mais. Como dizia minha avô: "Limpa a alma e faz bem ao coração." Chorar faz bem. Não é motivo de vergonha, mas sim de libertação. A liberdade emocional só nós mesmos podemos nos dar.

As palavras sufocam quando não ditas e as lágrimas nos afogam quando não derramadas. 
Não quero morrer afogada. E, muito menos sufocada.
Então, dane-se o mundo! Vou chorar sempre que for preciso e falar ainda que não faça sentido.
Vou deixar as emoções jorrarem de meu peito porque não quero ser prisioneira de mim mesma. E muito mesmo espectadora de minha própria vida.
Mesmo que não me entendem, não importa. Só eu sei do que carrego comigo. 
O feio e o belo fazem parte de mim. Uma mistura agridoce. 
Ame-me do jeito que sou, ou deixe-me.
O dia não faz sentido sem a noite.
A flor só é completa com seus espinhos.

- Ane Bee


**********************************************************************************

Texto: Ane Bee
Fotos: Créditos ao Tumblr

* Não plagie ou publique sem minha autorização.

Postado por Respire Literatura

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por ter lido!